sexta-feira, 29 de junho de 2012

Artigo: "Avaliação Mediadora: Uma Relação Dialógica na Construção do Conhecimento" (Jussara Maria Lerch Hoffmann)

O paradigma de avaliação que se opõe ao paradigma sentencioso, classificatório é o que denomino de "avaliação mediadora".
"O que pretendo introduzir neste texto é a perspectiva da ação avaliativa como uma das mediações pela qual se encorajaria a reorganização do saber. Ação, movimento, provocação, na tentativa de reciprocidade intelectual entre os elementos da ação educativa. Professor e aluno buscando coordenar seus pontos de vista, trocando ideias, reorganizando-as. (HOFFMANN, 1991, p. 67).
Tal paradigma pretende opor-se ao modelo do "transmitir-verificar-registrar" e evoluir no sentido de uma ação avaliativa reflexiva e desafiadora do educador em termos de contribuir, elucidar, favorecer a troca de ideias entre e com seus alunos, num movimento de superação do saber transmitido a uma produção de saber enriquecido, construído a partir da compreensão dos fenômenos estudados.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Reflexão da nossa condição de Ser e/ou Ter: "All Work and all Play" (Legendado)

video
Este vídeo é o resultado de diversos estudos realizados pela Box1824. É um projeto sem fins lucrativos ou comerciais. Box1824 é uma empresa de pesquisa especializada em tendências de comportamento e consumo.
Escrito e dirigido por: Lena Maciel, Lucas Liedke e Rony Rodrigues.
Agradecimento especial: Zeppelin Filmes.
Montagem: Fernanda Krumel;
Finalização: Bebop Studio.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

SOS Professor: "Conselho de Classe" e o Projeto Professor Diretor de Turma

Final de Bimestre e sempre a mesma situação: todos se reúnem para realizar o Conselho de Classe. A verdade é que poucos Professores ficam a vontade nesta situação. E você como se sente participando do Conselho de Classe da sua Escola?
Nesta primeira parte, a professora Roseli Brito, está postando no blog do SOS Professor, para você assistir, refletir e comentar. Posteriormente, será postado um artigo. E o que podemos aproveitar nas Reuniões Bimestrais - Conselho de Turma do Projeto Professor Diretor de Turma?
Como é realizado o Conselho de Classe na sua Escola? Como esse momento é utilizado? Traçar metas, Criar Intervenções e Levantar Estratégias para Correção de Rumos (Plano de Apoio e Complemento Educativo do PPDT)? 
No filme francês Entre os Muros da Escola (Entre les Murs - 2007), há um momento onde ocorre um Conselho de Classe no qual participam duas alunas representantes de turma. Assista ao trecho abaixo:
video
Em uma próxima postagem, abordaremos como é e como deve ser um Conselho de Classe.
Cadastro: SOS Professor
Deixe seu comentário...

segunda-feira, 18 de junho de 2012

SOS Professor: "Gerenciamento de Sala de Aula - Regra Nº 11"

Regra Nº 11: Saiba quando pedir ajuda

Você já tomou conhecimento de 10 Regras Gerais que fazem a diferença no gerenciamento da sala de aula. Elas fornecem direções seguras para você melhorar o relacionamento Professor/ Aluno e Professor/ Pais, bem como possibilitam trabalhar de um modo preventivo contra as possíveis atitudes de rebeldia, indisciplina e confronto com os alunos.
Recapitulando as 10 Regras Gerais estudadas até agora:

01 - Crie, por escrito, os objetivos e expectativas que você tem para a turma;
02 - Seja consistente em tudo que disser ou fizer;
03 - Seja paciente com você mesmo (a) principalmente com os alunos;
04 - Transforme os Pais em seus aliados. Comunique-se mais com eles;
05 - Evite falar demais e se alongar nas explicações;
06 - Organize o tempo da aula em três blocos diferentes de atividades;
07 - Comece e termine a aula dentro do tempo estabelecido, não "enrole";
08 - Tenha atividades planejadas para manter TODOS os alunos ocupados;
09 - Discipline e corrija individualmente, jamais faça isso em público;
10 - Mantenha sempre a perspectiva e o bom humor para cada situação.

Aplicar as Regras Gerais no dia a dia da sala de aula, envolve muita persistência e paciência por parte do Professor, haverá momentos de frustração, fadiga e até o velho sentimento de fracasso rondando a sua sala, porém, são para esses momentos que a Regra Geral Nº 11 entrará em ação: Saiba quando pedir ajuda!!!
Lembre-se, você não está sozinha/ sozinho, você faz parte de uma Equipe. Você tem que contar com o apoio dos colegas Professores da Escola, da Coordenação, do Diretor, dos Pais. Ainda, também, pode contar com o auxílio dos Livros, da Internet, dos Cursos, de Aconselhamento, de Coach, enfim, há uma série de recursos.
Pedir ajuda, também, requer antes de tudo humildade. Reconhecer que não somos detentores da verdade, por isso temos que compartilhar o que sabemos e o que precisamos, só assim receberemos ajuda que pode vir de lugares onde você menos espera.
Jamais se feche para as possibilidades de receber ajuda. É uma pena quando ouvimos comentários do tipo: "só vou fazer curso se a escola pagar", "só vou se tiver certificado", "só faço se me pagarem hora extra", "mais um treinamento que não serve de nada".
Saiba que ao pedir ajuda você abre possibilidades de crescer e quando isso acontece, podemos contribuir com muito mais para o mundo em que vivemos e fazer muito mais pelos nossos alunos. Por isso, não se contente em ficar do mesmo tamanho por muito tempo, desafie-se e não tenha medo de pedir ajuda.

Cadastro: SOS Professor

domingo, 17 de junho de 2012

SOS Professor: Como lidar com o aluno tímido?


A criança tímida pode ser tudo, menos um problema de indisciplina. Na verdade, ela é exatamente o oposto. Enquanto muitos de seus colegas trabalham duro para conseguir atenção, às vezes de forma turbulenta, a criança tímida batalha igualmente, no sentido de evitar o tumulto ou a bagunça. Temerosos de chamar a atenção para si mesmas, elas preferem se misturar com o grupo.
Mais espectador que participante, ela tende a sair de cena ao invés de encarar um confronto. Uma criança tímida pode ser mal interpretada pelos colegas, que geralmente a vê como hostil e conclui que ela não quer brincar ou relacionar-se com eles.
Na realidade, a criança tímida geralmente quer se envolver com seus colegas, mas não sabe como começar ou manter uma conversação.
Os professores também podem interpretar mal a criança tímida, confundindo sua relutância em interagir com o grupo como uma escolha. Os professores podem concluir que uma criança tímida é academicamente lenta, ou ainda que, por serem bem comportadas precisam de pouca atenção.
Embora seja verdade que uma criança tímida, muitas vezes seja um aluno aplicado, esta criança ou jovem frequentemente precisa de atenção do professor para estimulá-la e dar-lhe a confiança para amadurecer em seus relacionamentos.
O fato é que muitas vezes apenas nos concentramos naqueles que nos dão trabalho e trazem problemas, e negligenciamos os demais que estão quietinhos, sem darmos conta de que esses alunos estão enfrentando sérios problemas ligados a relacionamento e auto estima.
O que o Professor pode fazer:

Continue lendo o artigo: Como lidar com o aluno tímido?
Cadastro: SOS Professor

terça-feira, 12 de junho de 2012

Artigo: "A Importância da Família no Processo de Aprendizagem, visando ao Sucesso Escolar"

Lucia Oliveira dos Santos Miguel (Professora Pedagoga PDE (Programa de Desenvolvimento Educacional-2008/2009)- Universidade Estadual de Maringá- UEM. 
Eliane Rose Maio Braga (Professora Doutora da Universidade Estadual de Maringá- UEM – Co-autora deste artigo.

RESUMO

Este artigo aborda a importância da família no processo de aprendizagem e tem como objetivos, mobilizar a comunidade escolar, incluindo os professores, equipe pedagógica, direção, funcionários, alunos e, principalmente, as famílias sobre o papel social da escola e a participação efetiva desta comunidade; estudar as características da família contemporânea; orientar as famílias com conhecimentos sobre as fases de desenvolvimento em que os filhos estão para melhor compreendê-los e conscientizar os alunos sobre a importância da escola e do conhecimento para as suas vidas. Este artigo é também fruto dos encontros realizados com as famílias e alunos da 6ª série do Colégio Estadual “Vera Cruz” de Mandaguari. Como resultado apresenta-se uma reflexão sobre a importância da escola e a família se aliarem no processo educacional.

Palavras-Chave:  Família,  Desenvolvimento Humano, Aprendizagem Escolar, Escola.



sexta-feira, 8 de junho de 2012

SOS Professor: "Gerenciamento de Sala de Aula - Regra Nº 10"

Na postagem do dia 28 de Maio abordamos acerca da "regra Nº 09", hoje detalharemos a Nº 10:
Mantenha sempre a perspectiva e o bom humor para cada situação
O relacionamento Professor x Aluno é o "calcanhar de Aquiles" de todo Professor, é o ponto fraco onde muitos "falham". Quando os alunos são inquiridos sobre o que acham do Professor, as respostas são variadas: "meu Professor é bonzinho", "carrasco", "chato", "grita demais", "só reclama" e por aí vai uma infinidade de adjetivos nada positivos. Mas também há uma luz no final do túnel, dentre as respostas aparecem também o "Professor legal".
Para os alunos o "Professor legal", não tem nada a ver com o "Professor bonzinho". O "Professor legal" é aquele que sintetiza uma série de características que atuam em um conjunto equilibrado de atitudes e comportamentos diários que fazem com que o aluno sinta-se cobrado, respeitado e instigado a sempre empenhar-se mais. O "Professor legal" tem a capacidade e o talento de motivar, inspirar e desafiar.
Você deve estar perguntando-se: "Quais características são estas que fazem com que a imagem do Professor seja extremamente positiva aos olhos dos alunos?".
Um desses comportamentos é: manter a perspectiva em todas as situações. Neste caso, trata-se de não se deixar levar pelo nervosismo, estresse, irritação e não sair "batendo boca" com o aluno". O professor é um adulto, tem uma maturidade conforme sua experiência de vida e formação, coisas que a criança e jovem ainda não tem. Mantenha sempre a perspectiva de Educador (maturidade), jamais caia na posição da criança/ jovem (imaturidade). Outro comportamento que faz o professor ser considerado "legal" é quando ele sabe equilibrar seriedade (cobrança de tarefas, ensino de conteúdos, regras, procedimentos) com momentos de humor e descontração e isso implica em saber rir das situações engraçadas e daquelas que não são tão engraçadas assim. Saiba que, uma pitada de humor pode desequilibrar e romper qualquer momento de tensão e constrangimento dentro da sala de aula e fora dela.
Para que o professor consiga "funcionar" no modo "legal" é preciso já ter atingido um patamar de maturidade na sua vida pessoal e profissional. Por isso, reveja todas as áreas da sua vida, reflita sobre o que ainda o motiva a dar aulas, a entrar em uma sala de aula, a fazer parte da vida de crianças e jovens. Se a resposta que você obtiver ainda empolgar você, então já lhe digo, você tem tudo para tornar-se um "Professor Legal".
Cadastro: SOS Professor

terça-feira, 5 de junho de 2012

Artigo: "O Professor e sua Avaliação em Sala de Aula"

Bernardete A. Gatti
Doutora em Psicologia  pela Universidade de Paris VII. Professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC  - SP. Coordenadora do Departamento de Pesquisas Educacionais da Fundação Carlos Chagas - SP. 
E-mail: gatti@fcc.org.br

RESUMO
O presente artigo discute a avaliação educacional como uma das formas de acompanhamento das atividades do aluno com o objetivo de promover a sua progressão. A autora procura suprir deficiências apresentadas nos cursos de formação de professores e mostra a importância da avaliação para fins de orientação, planejamento e replanejamento do ensino, ressaltando, por outro lado, a integração da avaliação no ensino e sua importância na apreciação das diversas aprendizagens e do autodesenvolvimento dos alunos. Aponta a responsabilidade dos professores como avaliadores, ressalta a avaliação em processo, e no final, faz novas considerações sobre a relação ensino/ avaliação.
Palavras-chave: Avaliação Educacional, Planejamento do Ensino, Orientação, Avaliação em Processo, Ensino/ Avaliação.