sábado, 22 de dezembro de 2012

I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma - MOPPDTU - 18ª CREDE

Foi promovida pelo Núcleo Regional de Desenvolvimento da Escola e da Aprendizagem - NRDEA da 18ª CREDE, através da Coordenação Regional do Projeto Professor Diretor de Turma a I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma, no dia 15 de Dezembro de 2012 (Sábado) na EEM Liceu Prefeito Raimundo Coelho Bezerra de Farias, em Crato. Os objetivos da I MOPPDTU foram fundamentados na socialização de trabalhos-projetos-ações implementadas com sucesso no contexto desenvolvido nas aulas de Formação para Cidadania ao longo do ano de 2012 conforme as diretrizes do PPDT. Resumidamente em cinco pontos:

I. Estabelecer relações dinâmicas dos conhecimentos construídos no Projeto Professor Diretor de Turma - PPDT, com problemáticas sociais, culturais, econômicas e ambientais, de caráter local, regional, nacional e/ou global conforme discussões edificadas nas aulas de Formação para Cidadania;
II. Alinhar a importância da afetividade e do conhecimento sociobiográfico do aluno tornando-os parte interacionista na plenitude do acesso à escola, concorrendo para uma permanência nesta e revelando o caminho para o sucesso em sala de aula e em sociedade com aprendizagens eficientes, significativas que redundam na eficácia do ensino;
III Envolver participações ativas, práticas e conceituais de alunos, na condução e avaliação das ações, projetos e/ou trabalhos revelando estratégias para envolver toda a escola, tendo em vista apresentação de procedimentos e resultados;
IV. Promover o intercâmbio cultural e científico entre os participantes do evento;
V. Estimular a investigação e o interesse pelo estudo da dinâmica do processo de ensino e aprendizagem.

A I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma representa uma ação de incentivo e reconhecimento ao desenvolvimento de ações, projetos e/ou trabalhos desenvolvidos através das aulas de Formação para Cidadania, no âmbito das escolas públicas da 18ª CREDE - Crato.
Segue abaixo a programação e as fotos da I MOPPDTU, até 2013.

“O Diálogo entre os Pilares da Educação no Projeto Professor Diretor de Turma: Aprender a Conhecer, a Fazer, a Viver e a Ser.”

Manhã
08hs – Credenciamento e Café Pedagógico.
08hs: 45min – Momento 18ª CREDE.
08hs: 50min – Acolhida com a performance de estudantes da EEFM Teodorico Teles de Quental/Crato.
09hs – Palestra com o professor Jeferson Chrístyan Almeida Nunes (Coordenador Estadual do PPDT) com a temática “O Diálogo entre os Pilares da Educação no Projeto Professor Diretor de Turma: Aprender a Conhecer, a Fazer, a Viver e a Ser.”
10hs: 30min – Socialização de Experiências por Grupos de Trabalhos – GTs.
12hs: 15min – Almoço e Exposição dos banners.

Tarde
13hs: 15min – Palestra com Elimarcos Nascimento Santos do Projeto de Reabilitação Vida Livre – PREVIL/Crato-CE e culminância da ação beneficente do PPDT.
13hs: 45min – Mesa Redonda com a temática: “O Diálogo entre os Pilares da Educação no Projeto Professor Diretor de Turma: Aprender a Conhecer, a Fazer, a Viver e a Ser.”.
1. Adriano Brito – Ex-Coordenador Regional do PPDT/18ª CREDE.
2. Francisca Magda – Coordenadora Regional do PPDT/18ª CREDE.
3. José Oscar Braga Alexandre – Diretor da EEFM Antonio Mota/Antonina do Norte.
4. Patrícia dos Santos Alencar – Coordenadora Pedagógica da EEFM Menezes Pimentel/Potengi.
5. Samuel Moreira Mariano Chaves – Professor DT da EEEP Governador Virgílio Távora/Crato.
6. Fábio Luna dos Santos – Professor DT da EEFM Teodorico Teles de Quental/Crato.
7. Rugard Elias Peixoto – Estudante da EEEP Governador Virgílio Távora/Crato.
8. Palloma Sthefhanny Brito Lima - Estudante da EEFM Teodorico Teles de Quental/Crato.
9. Pâmela Mariano Queiroz Santana - Estudante da EEFM Teodorico Teles de Quental/Crato.
14hs: 45min – Solenidade de Entrega de Placas e Certificados aos Participantes.
15hs: 15min – Considerações Finais.

Agradecemos a participação dos estudantes, professores (com e sem direção de turma) e gestores.

Fotos - Parte I

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Formação para Cidadania na EEM Santa Tereza, em Altaneira

Tendo em vista a necessidade de conscientização dos estudantes dos 1ºs Anos A e D com a relação à sexualidade, a EEM Santa Tereza, em Altaneira, pretende através deste projeto, refletir sobre questões como a gravidez na adolescência, as doenças sexualmente transmissíveis, mudanças no corpo e na mente do adolescente, métodos anticoncepcionais, higiene e auto cuidado, relacionamentos e o adolescente perante a sociedade. Desta forma, será dinamizado a interação com os discentes, para que eles construam uma imagem positiva desta fase da vida e para que possam aprender a se prevenir de forma consciente. Fruto do Projeto Professor Diretor de Turma da docente Valnice em Formação para Cidadania.


Programação Completa da I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma - MOPPDTU

Segue abaixo no link a programação completa da I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma que será realizada no dia 15 de Dezembro (Sábado) na EEM Liceu Prefeito Raimundo Coelho Bezerra de Farias, localizada na rua Francisco Piancó Leite, S/N no bairro Seminário, em Crato - CE.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Relação dos Professores e Gestores Pré-Inscritos para I MOPPDTU

Segue abaixo a relação dos professores e gestores pré-inscritos para I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma - MOPPDTU, que acontecerá no dia 15 de Dezembro (Sábado) na EEM Liceu Prefeito Raimundo Coelho Bezerra de Farias, no bairro Seminário em Crato - CE. Lembrando que para validar a participação, é preciso levar um quilo de alimento não perecível no dia do evento.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Relação dos Trabalhos para I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma

Segue abaixo a relação dos trabalhos/experiências que serão socializados na I Mostra do Projeto do Professor Diretor de Turma - MOPPDTU no dia 15 de Dezembro de 2012 no Liceu do Crato.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

I Mostra Literatura em Curtas - NTE/ 18ª CREDE

O Núcleo de Tecnologia Educacional - NTE da 18ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação, Crato-CE, está com o Projeto Literatura em Curtas, que visa estimular a valorização dos autores da Região do Cariri, como também, promover a aprendizagem dos alunos a partir da produção cinematográfica. A Mostra constará de sete filmes produzidos pelos estudantes da Rede Pública Estadual da 18ª CREDE a partir da adaptação de obras da região. Para tanto, pedimos a colaboração de todos na votação online. Estamos disponibilizando os links abaixo:

O Avião que sobrevoou o sertão de Taboquinha - EEM Santa Tereza (Altaneira)

Meu Pé de Serra - EEFM Antonio Mota (Antonina do Norte)

A Coceira de Chico Mulambo - EEFM Raimundo Moacir Alencar Mota (Assaré)

A Tortuosa estrada do Sonho - CEJA - Monsenhor Pedro Rocha de Oliveira (Crato)

As Três Flores - EEF Estado da Paraíba (Crato)

A Escola Mal Assombrada - EEM Joaquim Valdevino de Brito (Crato)

O Segredo de Marina - EEFM Menezes Pimentel (Potengi)


Responsáveis: Érika Calou - Leonarda Arraes - Delaney Xenofonte (Professores Multiplicadores do NTE - 18ª CREDE/Crato-CE






terça-feira, 20 de novembro de 2012

I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma - I MOPPDTU

CHAMADA PÚBLICA PARA I MOSTRA DO PROJETO PROFESSOR DIRETOR DE TURMA - 18ª CREDE - CRATO


A Coordenadora da 18ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação - 18ª CREDE - Crato, Eliana Nunes Estrela, no uso de suas atribuições, fortalecendo as ações desenvolvidas no Projeto Professor Diretor de Turma - PPDT no âmbito das escolas e considerando a importância da socialização de conhecimentos e experiências, torna pública esta chamada para a realização da I Mostra de trabalhos, projetos e ações implementadas com sucesso no contexto desenvolvido nas aulas de Formação para Cidadania conforme os objetivos estabelecidos no Projeto, para divulgação, exposição e discussão no dia 15 de Dezembro de 2012, de modo a ser integrada na Feira Regional de Ciências e Cultura a partir do ano de 2013.

(13 a 30 de Novembro - PDT e CEPPDT: com ou sem trabalho/ações/projetos):

(03 a 06 de Dezembro - Demais professores) Haverá um formulário específico.

Na íntegra: Chamada Pública

Esperamos contar com as presenças de todos os Professores Diretores de Turma e Coordenadores Escolares que acompanham o PPDT, além dos demais professores. Os resumos serão publicados em Anais.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

II Roda Conversa Projeto Professor Diretor de Turma em Ação (Novembro)

O Núcleo Regional de Desenvolvimento da Escola e da Aprendizagem - NRDEA, através da Coordenação Regional do Projeto Professor Diretor de Turma - CRPPDT, realizou no dia 13 (terça-feira) de Novembro, no auditório da 18ª CREDE, em Crato, a segunda etapa de Formação Continuada dos Coordenadores Escolares do PPDT, intitulada II Roda de Conversa PPDT em Ação. Contamos com a participação de 86,61% escolas da regional. A referida iniciativa baseou-se no primeiro encontro em Outubro, conforme as sugestões de construção de pauta, foi focado nas Reuniões de Conselho de Turma e dessa vez com representações dos professores Diretores de Turma de cada instituição. Refletindo sobre a necessidade de intensificar a alimentação do instrumental de acompanhamento online do PPDT/3º Bimestre e acerca da utilização da plataforma do PPDT no SIGE pelos Diretores de Turma, focando a orientação no acompanhamento do CEPPDT no sistema, além de sensibilizá-los sobre a importância de acompanhar as ações do PPDT na escola.
A programação do encontro segue abaixo:
  • Socialização de experiência desenvolvida nas aulas de Formação para Cidadania na turma do 1º Ano D/Tarde da EEFM Polivalente Governador Adauto Bezerra, em Crato sob a coordenação da Diretora de Turma Alana Gouveia e representando a turma Maria Edwirges.
  • Diagnóstico do PPDT na 18ª CREDE (Estudo e Socialização);
  • Lançamento da Chamada Pública para I Mostra do Projeto Professor Diretor de Turma - I MOPPDTU;
  • Evolução do PPDT no Estado e na 18ª CREDE;
  • Relatório Bimestral/Instrumental Online;
  • Apresentação de cardápio de propostas para Realização de Reuniões de Conselho de Turma (Estudo e Socialização).
Segue abaixo o material socializado e discutido:

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Artigo: "Relação Professor/Aluno"

Salua Helena Abdalla Belotti1
Moacir Alves de Faria2

Resumo: 
Neste trabalho se busca uma discussão que tem como ponto inicial entender, a partir da Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB) e dos Parâmetros Curriculares Nacionais, as mudanças ocorridas no ensino-aprendizagem, ligadas ao relacionamento de professores e alunos. A necessidade de repensar a prática escolar tem se mantido constante. Apesar das várias propostas existentes no âmbito da Educação, percebe-se que os resultados continuam insatisfatórios.

Palavras-chave: Formação, Prática Reflexiva, Trabalho Interdisciplinar, Valorização.

1 - Aluna do Curso de Pedagogia da Universidade Nove de Julho - UNINOVE.
2 - Mestre em Educação pela Universidade Sorocaba. Professor Orientador.


terça-feira, 30 de outubro de 2012

"Ensinar – Aprender: Pensando a Prática Pedagógica" (Tânia Maria de Moura Fonseca)

Iniciando a conversa

"Aqueles que passam por nós,
Não vão sós, não nos deixam sós. 
Deixam um pouco de si,
Levam um pouco de nós"
(Antonio de Saint-Exupery)

A escola brasileira vem buscando ao longo dos anos novas possibilidades acatando ou rejeitando tendências pedagógicas e suas metodologias. Um bom exemplo é o combate acirrado ao tecnicismo, excluindo-se dos currículos de formação de professores o ensino de estratégias e técnicas sistemáticas de ensino-aprendizagem. Vemos professores angustiados com problemas de indisciplina, com dificuldade em controlar a turma e dar uma boa aula; alunos abandonando à escola, já antevendo sua provável reprovação; no final do ano as aprovações por Conselho de Classe cada vez mais numerosas.
Convivemos diariamente com o fracasso escolar em todos os níveis de ensino. Reprovação, evasão e outro ainda pior: alunos aprovados sem assimilar e compreender o mínimo necessário para prosseguir em sua caminhada de aprendizagem.

Parte I
Para refletir;
Por que ensinar é uma arte;
Ser professor;
O que é aprender.

Parte II
Revendo ou aprendendo sobre estratégias de ensino;
Estratégia 1 - Aula expositiva dialogada;
Estratégia 2 - Estudo de texto;
Estratégia 3 - Portfólio;
Estratégia 4 - Tempestade cerebral ou mental;
Estratégia 5 - Estudo dirigido;
Estratégia 6 - Solução de problemas;
Estratégia 7 - Phillips;
Estratégia 8 - Grupo de observação e de verbalização (GV/GO);
Estratégia 9 - Seminário;
Estratégia 10 - Júri Simulado;
Estratégia 11 - Oficina;
Estratégia 12 - Estudo do meio;
Estratégia 13 - Pesquisa

Parte III
Aprendizagem Significativa: O que é isso?
Professor - aluno: uma relação de troca e respeito;
Eu professor e o outro: o aluno;
Sugestões de dinâmicas para estimular o bom relacionamento em sala de aula.
Conversa final.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Oficinas de Aprendizagem Cooperativa

Foram promovidas pela Coordenadoria de Desenvolvimento da Escola e da Aprendizagem/ Protagonismo Estudantil - Secretaria de Educação do Ceará nos dias 16, 17 e 18 de Outubro, em Fortaleza, oficinas de Aprendizagem Cooperativa, coordenado pela equipe do professor Manoel Andrade Neto, através do Programa de Educação em Células Cooperativas - PRECE e do Programa de Aprendizagem Cooperativa em Células Estudantis, fomentado pela Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal do Ceará - UFC, da Coordenadoria de Formação e Aprendizagem Cooperativa - COFAC que tem como principal objetivo colaborar para o aumento da taxa de conclusão nos cursos de graduação da referida instituição, embasado na utilização da difusão de Células Estudantis - Grupos de Estudo que utilizam da metodologia da Aprendizagem Cooperativa, estimulados no âmbito universitário e, nos encontros semanais com os GEs, os estudantes têm a oportunidade de ajudarem-se mutuamente, no enfrentamento das dificuldades acadêmicas e extra-acadêmicas, de modo que haja a interação discente (estudante-estudante) tanto de conteúdos quanto ao desenvolvimento das competências interpessoais necessárias ao agir cooperativo. Tivemos, também, a participação de uma equipe de professores da rede estadual. O objetivo das oficinas com o foco em aprendizagem cooperativa estava em estabelecer parcerias para com o Projeto Professor Diretor de Turma.
A programação desenvolvida nos três dias pautou-se em:
  • Aprendizagem Cooperativa no Estado do Ceará: História e Projetos;
  • Células Estudantis de Aprendizagem Cooperativa;
  • Vídeos do Museu da Pessoa;
  • Discussão - Por que Histórias de Vida?
  • Oficina de História de Vida;
  • Mudanças no Contexto de Aprendizagem;
  • Metodologia Ideal (Construção do Consenso);
  • Oficina de Interdependência Social;
  • Questões;
  • Individualismo, competição e cooperação;
  • Oficinas de Habilidades Sociais;
  • Oficina de Conflito;
  • Avaliação do Encontro;
  • Encaminhamentos para Projeto Professor Diretor de Turma - PPDT.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Artigo: "Da Mediocridade a Nota 10" Por Roseli Brito

No artigo publicado no dia 13 de Agosto, foi debatido sobre a "Nota Vermelha" e neste ínterim eis que surge os estonteantes números do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB. O Ensino Médio atingiu a nota 3,7 e o Ensino Fundamental 4,7. Pasmem, e este último estão comemorando, pois este índice era para ser atingido apenas em 2013 e já foi atingido AGORA!!!
Será que uma empresa que preste vai desejar no seu quadro de funcionários um indivíduo com essas notas? Muito provavelmente não! É sabido que em várias instituições, públicas e privadas já estão exigidos Boletim Escolar para verificação das notas e, então, aqueles sujeitos com a história acadêmica que apresentam as notas mais altas durante a sua vida escolar são admitidos para integrar programas de primeiro emprego, ingresso no ensino técnico, etc. Em resumo: buscam-se os Melhores, os mais Capazes, os mais Dedicados, os mais Comprometidos. Mas o que a Escola e as notas tem a ver com isso? Tem tudo a ver!!!

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Educar para Crescer: Guia para o Ensino Médio

Com o Guia para o Ensino Médio você terá em mãos preciosas dicas para orientar os Jovens que estão no Ensino Médio. Muitas vezes eles não "querem nada com nada" porque desconhecem as opções que existem, não sabem lidar com as questões próprias da idade porque não são orientados. 

Leia-o completo em: Guia para o Ensino Médio

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

I Roda de Conversa Projeto Professor Diretor de Turma em Ação (Outubro)

O Núcleo Regional de Desenvolvimento da Escola e da Aprendizagem - NRDEA, através da Coordenação Regional do Projeto Professor Diretor de Turma - CRPPDT, realizou nos dias 02 (terça-feira) e 03 (quarta-feira) de Outubro, no auditório da 18ª CREDE, em Crato, a primeira etapa da Formação Continuada dos Coordenadores Escolares do PPDT, intitulada Roda de Conversa PPDT em Ação. Contamos com a participação de 95,65% das escolas da regional. A referida iniciativa baseou-se na necessidade de aprofundar as discussões, apropriação, análise e reflexão do PPDT como ferramenta de Gestão Pedagógica, intrínseco ao Projeto Político Pedagógico - PPP. Apresentar e discutir o instrumental de acompanhamento on line do PPDT. Proporcionar a familiarização dos instrumentais do PPDT no Sistema Integrado de Gestão Escolar - SIGE. Uma vez que é uma oportunidade para pensar, coletivamente, ações pedagógicas que visem o fortalecimento do PPDT e a melhoria do processo de ensino e de aprendizagem e à elevação dos indicadores educacionais nas escolas estaduais da abrangência da 18ª CREDE.


Livro: Indicadores de Qualidade na Educação

A qualidade da nossa escola 

É muito comum a gente ouvir dizer que o ensino público no Brasil é de má qualidade. Mas o que é qualidade? Será que uma escola considerada de qualidade há cem anos ainda hoje seria vista assim? Será que uma escola boa para uma população que vive no interior da floresta amazônica também é boa para quem mora num centro urbano? Como todos vivemos num mesmo país, num mesmo tempo histórico, é provável que compartilhemos muitas noções gerais sobre o que é uma escola de qualidade. A maioria das pessoas certamente concorda com o fato de que uma escola boa é aquela em que os alunos aprendem coisas essenciais para sua vida, como ler e escrever, resolver problemas matemáticos, conviver com os colegas, respeitar regras, trabalhar em grupo. Mas quem pode definir bem e dar vida às orientações gerais sobre qualidade na escola, de acordo com os contextos socioculturais locais, é a própria comunidade escolar. Não existe um padrão ou receita única para uma escola de qualidade. Qualidade é um conceito dinâmico, reconstruído constantemente. Cada escola tem autonomia para refletir, propor e agir na busca da qualidade da educação. Os Indicadores da Qualidade na Educação foram criados para ajudar a comunidade escolar na avaliação e na melhoria da qualidade da escola. Este é objetivo principal. Compreendendo seus pontos fortes e fracos, a escola tem condições de intervir para melhorar sua qualidade de acordo com seus próprios critérios e prioridades. Para tanto, identificamos sete elementos fundamentais - aqui nomeados de dimensões - que devem ser considerados pela escola na reflexão sobre sua qualidade. Para avaliar essas dimensões, foram criados alguns sinalizadores de qualidade de importantes aspectos da realidade escolar: os indicadores.

Sumário
Como utilizar os Indicadores da Qualidade na Educação;
Indicadores da Qualidade na Educação:
Dimensão 1 - Ambiente Educativo;
Dimensão 2 - Prática Pedagógica;
Dimensão 3 - Avaliação;
Dimensão 4 - Gestão Escolar Democrática;
Dimensão 5 - Formação e Condições de Trabalho dos Profissionais da Escola;
Dimensão 6 - Ambiente Físico Escolar;
Dimensão 7 - Acesso, permanência e sucesso na escola;

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Dissertação - "O papel da escola frente aos desafios do século XXI: a opinião de jovens estudantes do Ensino Médio do Distrito Federal"

Paula Fernanda de Melo Rocha*

Resumo:

Este trabalho apresenta os resultados e análise de uma pesquisa realizada com jovens estudantes do ensino médio de duas regiões administrativas do Distrito Federal. A pesquisa teve como principal objetivo investigar as opiniões desses jovens sobre o papel da escola frente aos desafios do século XXI. Além disso, buscou também caracterizar a juventude, identificar os desafios percebidos por eles e relacioná-los ao papel da escola, analisar a relação entre o papel desempenhado pelas escolas e seus anseios pessoais e profissionais, bem como propor, a partir dos apontamentos feitos, algumas iniciativas a serem tomadas pelas escolas. Trata-se de um estudo de caráter exploratório, cujos dados foram coletados a partir da aplicação de questionários e da realização de grupos focais. A análise foi feita quantitativa ou qualitativamente, a fim de atender aos objetivos da pesquisa. Quanto aos resultados, é possível afirmar que os jovens têm muito a dizer e clamam para serem ouvidos; desejam intervir e contribuir com os rumos da educação desse século. Concluiu-se que abrir espaços para o diálogo e permitir que os jovens participem do planejamento e da execução das ações significa ampliar as possibilidades de práticas pedagógicas bem sucedidas, coerentes com os desejos e objetivos pessoais e profissionais dos principais atores desse processo: os estudantes. Por fim, este estudo também deixa claro que a escola do século XXI precisa vincular-se às novas tecnologias e aos meios de comunicação, bem como oportunizar a todos os indivíduos uma educação permanente, conectada ao mundo do trabalho e ao exercício de cidadania.

Palavras-chave: Juventude, Educação, Trabalho, Ensino Médio, Escola Pública, Escola Privada e desafios do século XXI.

*Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação, da Universidade Católica de Brasília em 2007. Orientador: Professor Dr. Luiz Síveres.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Salto para o Futuro - "Juventude e Escolarização: os sentidos do Ensino Médio"

Juventude e escolarização: os sentidos do Ensino Médio

Quem são os jovens que chegam ao Ensino Médio no Brasil? Quais são seus desejos e expectativas? Existe uma cultura própria da juventude? Ou há juventudes e, assim, diferentes expressões culturais juvenis? Essas são algumas das indagações que fazem parte da série Juventude e escolarização: os sentidos do Ensino Médio, que conta com a consultoria de Juarez Dayrell, coordenador do Observatório da Juventude, da UFMG. A leitura dos textos que compõem esta publicação eletrônica, aliada à audiência da série televisiva de mesmo nome, certamente possibilitarão reflexões sobre temas como “a crise de legitimidade da escola”, “a incongruência entre o que a sociedade espera da escola e o que a escola tem sido capaz de oferecer à sociedade”. Os sentidos atribuídos pelos jovens à educação; A participação juvenil em diferentes contextos escolares; A construção de projetos pedagógicos que efetivamente respondam aos anseios dos jovens. Essas e outras questões estão postas para pesquisadores e professores em seus cotidianos e são desafios para as políticas públicas intersetoriais em interface com a educação. A TV Escola, por meio do programa Salto para o Futuro, ao retomar a temática da relação entre os jovens e o Ensino Médio, na série Juventude e escolarização: os sentidos do Ensino Médio, pretende contribuir para esse debate tão significativo para a educação em nosso país. Afinal, os projetos de futuro dos jovens expressam o próprio futuro da sociedade brasileira: a mudança de um modelo profundamente excludente, em especial com os jovens das camadas populares, como tem se constituído ao longo da história, para uma sociedade mais justa e equânime para todos. Acreditamos na potência da educação como um dos caminhos para tornar realidade esta utopia.
Rosa Helena Mendonça


Continue lendo em: Salto para o Futuro - "Juventude e Escolarização: os sentidos do Ensino Médio"

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Artigo: "O Erro no Processo de Ensino e Aprendizagem"

Arnaldo Nogaro*
Eliane Granella**

Resumo:

O texto "O erro no processo de ensino e aprendizagem" visa evidenciar a importância de uma postura crítica dos educadores frente ao erro no processo avaliativo, observando sua relação com o fracasso escolar. Aborda a temática do erro no processo de ensinar e aprender. Primeiramente, esclarece e define o erro na visão de vários segmentos institucionais. Em seguida, coloca a questão do erro nos processos de ensino e aprendizagem. Num próximo momento, discute o erro como fonte de inclusão/exclusão e define o papel do educador e qual a postura que ele deve adotar em relação a este tema. Por fim, confronta avaliação e erro/ fracasso escolar apontando caminhos para o aprimoramento da prática avaliativa.

Palavras-chave: Erro - Avaliação - Ensino e Aprendizagem.

* Professor da URI - Campus de Erechim. Doutor em Educação/ UFRGS.
** Professora da Escola Pedro Hererias - Getúlio Vargas. Pedagoga.


quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Artigo: "Prova como Instrumento de Avaliação"

Maria Aparecida de Campos Hernández*
Marília Costa Dias**

Resumo:

Este trabalho tem como objetivo descrever a prova como instrumento de avaliação, observando-a, dentro de seus limites, metas e soluções. Procurando entender todo o fator circunstancial que a envolve. Neste estudo foram realizadas entrevistas que propiciaram o conhecimento de como a avaliação é realizada nessas instituições, bem como saber se a escola poderia prescindir das provas para fazer a avaliação da aprendizagem, com qual periodicidade as provas são realizadas, se a prova é o único instrumento avaliativo dentro do processo do ensino e da aprendizagem, essas entrevistas também esclareceram como os professores elaboram as provas e como fazem a sua devolutiva. As fontes bibliográficas utilizadas foram as mais diversas. Entre essas destacam-se Jussara Hoffmann, Antoni Zabala e Perrenoud e outros que abordam o que há de mais significativo no assunto, objetivando sua discussão em prol da melhoria tanto do ensino como da aprendizagem. Portanto, este estudo pretende discutir acerca da avaliação escolar, apontando propostas pedagógicas com as novas perspectivas para um instrumento chamado prova.

Palavras-chave: Aprendizagem, Avaliação, Ensino, Erro, Prova.

* Aluna do Curso de Pedagogia, do Instituto Superior de Educação Vera Cruz.
** Orientadora

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Livro: "Pesquisa em Educação Escolar - Percursos e Perspectivas"

José  Milton de Lima
Divino José da Silva
Paulo César de Almeida Raboni
(Orgs.)
Introdução

"Apresentar um livro é dá-lo a ler, dá-lo como um presente, compartilhá-lo." (Larrosse, 2004)

Essa frase traduz o espírito que move esta coletânea, pois o que se deseja é compartilhar resultados de pesquisas desenvolvidas junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" (Unesp), campus de Presidente Prudente (SP). O tema que conduz e confere unidade às reflexões aqui presentes é a educação escolar pensada a partir de diferentes perspectivas. A preocupação que perpassa todos os textos pode ser expressa na seguinte pergunta: como enfrentar os problemas vividos pela escola, em um momento em que se atribui a ela uma infinidade de responsabilidades?



segunda-feira, 13 de agosto de 2012

SOS Professor: "Nota Vermelha"

Roseli Brito

As férias escolares acabam, porém boa parcela dos alunos retornam com toda energia e disposição para continuarem "brincando de estudar". Para esses alunos a Escola são férias eternas, o boletim escolar sempre decorado de notas vermelhas, mas afinal, eles dizem: "e eu com isso?". Parodiando os próprios alunos, agora é o momento em que a "chapa começa a esquentar!!!".
"Professor não posso repetir de ano!!!". "Professor, você não pode me reprovar!". Então, esta é a grande preocupação que começa a rondar a cabeça de muitos jovens. Afinal, se ele reprovar, como vai ser ficar diante os colegas e família/ responsáveis? 
O que a indisciplina tem a ver com isso?

Continue a ler: "Nota Vermelha"
Cadastro: SOS Professor

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Artigo: "Educação e Imaginário Social: revendo a escola"

Nilda Tevês Ferreira*
Marisa Faermann Eizirik**

São inúmeras as reflexões acerca da educação em geral e da escola em particular. Cientistas de diferentes áreas do conhecimento vêm aceitando o desafio de reconsiderar seus saberes e fazeres no avanço das ciências. Há como um consenso de que não existe uma metalinguagem geral, única, sob a qual todas as produções científicas devam ser traduzidas, transcritas e avaliadas. Após tantos anos de cientificismo, parece ter chegado o momento da desconfiança, das incertezas, das dúvidas diante de verdades instituídas. Saberes inquestionáveis, frutos de investigações empíricas elaboradas com bastante rigor, apontam agora para zonas sombrias. Descobre-se que o real e o ideal, o concreto e o abstrato, a matéria e as relações são conceitos instituídos socialmente e que neles está presente o modo de produção de seus sentidos. Olhares diversos constituem seus objetivos de conhecimento, e cada cientista sabe que seu olhar é apenas um dos possíveis olhares. Isso quer dizer que a complexidade está sempre presente na produção do conhecimento. Essa complexidade significa a possibilidade que um objeto ou sujeito tem de comportar muitos elementos, múltiplas interações. Os pressupostos positivistas e intelectualistas, em sua totalidade, esbarram com essa complexidade. Falar de complexidade é, pois, afastar os reducionismos da explicação simples e da causalidade. Isso serve também para as pesquisas na área da educação.


*Doutora em Educação e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
**Doutora em Educação e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

domingo, 5 de agosto de 2012

Artigo - "Educação: como a relação aluno-professor influencia na deficiência do aprendizado"

Denise Oliveira Amorim Palomares1

Resumo:

O artigo parte de uma observação importante: a existência em inúmeras escolas públicas de deficiência no aprendizado. Um dos aspectos relevantes desse processo diz respeito à relação professor-aluno. As dificuldades enfrentadas com relação ao ensino são muitas e envolve a questão da indisciplina e do desinteresse dos alunos pelo saber, adquirindo um dimensão cada vez maior. A intenção aqui é considerar as causas deste comportamento que interferem na aprendizagem, assim como nas formas de ensino.

Palavras-chave: Aluno; Indisciplina; Professor; Criatividade; Motivação.

1 - Aluna do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina: palomares_denise@hotmail.com



terça-feira, 31 de julho de 2012

SOS Professor: "Jovens mimados geram adultos fracassados."

Você tem alunos que "se acham a última bolacha do pacote?". E colegas de trabalho dentro da Escola que se acham o "supra-sumo" e que, portanto, não admitem serem cobrados, orientados ou advertidos, pois sabem demais?
Recentemente a Revista Época publicou um artigo intitulado "Por que a Educação moderna criou adultos que se comportam como bebês?", o qual reproduzimos abaixo:

Cadastro: SOS Professor

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Artigo - Livros de Ocorrência: da prática de Vigiar e Punir aos “recursos para o bom adestramento" (Anailton de Souza Gama)

Resumo: 
Este artigo apresenta uma análise discursiva realizada nos livros de ocorrência de uma escola da rede pública estadual do município de Nova Andradina-MS. Com pressupostos da Análise do Discurso de linha francesa, objetivamos verificar a violência simbólica que ocorre na escola através da prática de registro de ocorrências, culminando com as reflexões de Michel Foucault em sua obra Vigiar e Punir. Tendo em vista que a AD está vinculada às questões teóricas relativas à ideologia e ao sujeito e que essas se dão nas relações de poder que a linguagem exerce sobre as pessoas e que o “sujeito” é constituído na e pela a linguagem, enquanto contradição e desejo, e que a história é entendida como processo de produção de sentidos, enquanto a língua é um corpo espesso e denso transpassado de cortes, essas noções contribuem para a nossa pesquisa e para a compreensão da inter-relação entre os adolescentes-alunos e a escola, fazendo emergir temas transversais como a diversidade cultural, a ética e a cidadania.


Palavras-chave: Livros de Ocorrência; Violência Simbólica; Sujeito; Ideologia.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Artigo - Ensino Médio: Em Busca do Princípio Pedagógico (Paolo Nosella)

Doutor em Filosofia da Educação e Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho. E-mail: nosellap@terra.com.br

Resumo:
O debate sobre a problemática do Ensino Médio se intensificou. Não se trata de um debate novo. Porém, nestes últimos anos, ganhou novo fôlego, repercutindo inclusive nos meios de comunicação de massa. No intuito de contribuir para este debate, o texto traz informações de caráter histórico e considerações teóricas. Defende a tese de que o trabalho é o princípio educativo geral de todo o sistema escolar. A especificidade pedagógica do Ensino Médio decorre do momento vivido pelo jovem em busca de sua definição moral, intelectual e social. Por ser a fase final do ensino básico, é de caráter formativo não profissionalizante. A atual apologia e expansão da profissionalização precoce é uma declaração da falência e do abandono do Ensino Médio público, humanista, "culturalmente desinteressado", destinado a preparar dirigentes.

Palavras-chave: Educação, Ensino Médio, Trabalho e Educação, Princípio Pedagógico.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Salto para o Futuro: Coordenação Pedagógica em Foco

Salto para o Futuro: Coordenação Pedagógica em Foco:
"O que me interessa fortemente (...) não é dar receitas, mas é propor desafios, é discutir aspectos que eu considero necessários e permanentemente presentes na prática docente, que eu chamei de saberes fundamentais." Paulo Freire

As palavras em epígrafe são de Paulo Freire e referem-se ao "pequeno" livro que o educador acabara de lançar naquele já distante ano de 1997 - Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. A série Coordenação Pedagógica em Foco - com a qual o programa Salto para o Futuro, da TV Escola, abre a temporada de 2012 - propõe justamente desafios para 'melhoria de qualidade da educação', na perspectiva de 'redes colaborativas e comunidades de 'aprendizagem'. A centralidade do papel do Coordenador Pedagógico nesse processo é destacada nos textos e nos programas televisivos.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Livro: "Autonomia e Educação em Immanuel Kant e Paulo Freire" (Vicente Zatti)

Introdução:
O interesse em pesquisar o tema autonomia e educação tomando como referência Immanuel Kant e Paulo Freire surgiu a partir da constatação de situações do meio escolar e social atual que levam a ou se caracterizam como situações de heteronomia. Destaco dentre essas situações a forma como grande parte dos alunos desenvolvem uma capacidade de compreensão insuficiente, se mostram arredios à leitura, seguem a moda irrefletidamente, apresentam dificuldade em pensar por conta própria e discutir criticamente os assuntos que envolvem, inclusive, seu cotidiano. A nível social destaco a estetização do mundo da vida que leva ao individualismo, à indiferença com o humano, à irresponsabilidade, à massificação e a consequentes formas de pensar e agir homogeneizados, não autênticos e autônomos. Além disso, a razão instrumental promove hoje a colonização de diversas esferas do mundo da vida, gerando uma sociedade em muitos aspectos desumanizante e irracional, que prioriza o econômico em detrimento do humano.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Artigo: "Avaliação Mediadora: Uma Relação Dialógica na Construção do Conhecimento" (Jussara Maria Lerch Hoffmann)

O paradigma de avaliação que se opõe ao paradigma sentencioso, classificatório é o que denomino de "avaliação mediadora".
"O que pretendo introduzir neste texto é a perspectiva da ação avaliativa como uma das mediações pela qual se encorajaria a reorganização do saber. Ação, movimento, provocação, na tentativa de reciprocidade intelectual entre os elementos da ação educativa. Professor e aluno buscando coordenar seus pontos de vista, trocando ideias, reorganizando-as. (HOFFMANN, 1991, p. 67).
Tal paradigma pretende opor-se ao modelo do "transmitir-verificar-registrar" e evoluir no sentido de uma ação avaliativa reflexiva e desafiadora do educador em termos de contribuir, elucidar, favorecer a troca de ideias entre e com seus alunos, num movimento de superação do saber transmitido a uma produção de saber enriquecido, construído a partir da compreensão dos fenômenos estudados.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Reflexão da nossa condição de Ser e/ou Ter: "All Work and all Play" (Legendado)

video
Este vídeo é o resultado de diversos estudos realizados pela Box1824. É um projeto sem fins lucrativos ou comerciais. Box1824 é uma empresa de pesquisa especializada em tendências de comportamento e consumo.
Escrito e dirigido por: Lena Maciel, Lucas Liedke e Rony Rodrigues.
Agradecimento especial: Zeppelin Filmes.
Montagem: Fernanda Krumel;
Finalização: Bebop Studio.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

SOS Professor: "Conselho de Classe" e o Projeto Professor Diretor de Turma

Final de Bimestre e sempre a mesma situação: todos se reúnem para realizar o Conselho de Classe. A verdade é que poucos Professores ficam a vontade nesta situação. E você como se sente participando do Conselho de Classe da sua Escola?
Nesta primeira parte, a professora Roseli Brito, está postando no blog do SOS Professor, para você assistir, refletir e comentar. Posteriormente, será postado um artigo. E o que podemos aproveitar nas Reuniões Bimestrais - Conselho de Turma do Projeto Professor Diretor de Turma?
Como é realizado o Conselho de Classe na sua Escola? Como esse momento é utilizado? Traçar metas, Criar Intervenções e Levantar Estratégias para Correção de Rumos (Plano de Apoio e Complemento Educativo do PPDT)? 
No filme francês Entre os Muros da Escola (Entre les Murs - 2007), há um momento onde ocorre um Conselho de Classe no qual participam duas alunas representantes de turma. Assista ao trecho abaixo:
video
Em uma próxima postagem, abordaremos como é e como deve ser um Conselho de Classe.
Cadastro: SOS Professor
Deixe seu comentário...

segunda-feira, 18 de junho de 2012

SOS Professor: "Gerenciamento de Sala de Aula - Regra Nº 11"

Regra Nº 11: Saiba quando pedir ajuda

Você já tomou conhecimento de 10 Regras Gerais que fazem a diferença no gerenciamento da sala de aula. Elas fornecem direções seguras para você melhorar o relacionamento Professor/ Aluno e Professor/ Pais, bem como possibilitam trabalhar de um modo preventivo contra as possíveis atitudes de rebeldia, indisciplina e confronto com os alunos.
Recapitulando as 10 Regras Gerais estudadas até agora:

01 - Crie, por escrito, os objetivos e expectativas que você tem para a turma;
02 - Seja consistente em tudo que disser ou fizer;
03 - Seja paciente com você mesmo (a) principalmente com os alunos;
04 - Transforme os Pais em seus aliados. Comunique-se mais com eles;
05 - Evite falar demais e se alongar nas explicações;
06 - Organize o tempo da aula em três blocos diferentes de atividades;
07 - Comece e termine a aula dentro do tempo estabelecido, não "enrole";
08 - Tenha atividades planejadas para manter TODOS os alunos ocupados;
09 - Discipline e corrija individualmente, jamais faça isso em público;
10 - Mantenha sempre a perspectiva e o bom humor para cada situação.

Aplicar as Regras Gerais no dia a dia da sala de aula, envolve muita persistência e paciência por parte do Professor, haverá momentos de frustração, fadiga e até o velho sentimento de fracasso rondando a sua sala, porém, são para esses momentos que a Regra Geral Nº 11 entrará em ação: Saiba quando pedir ajuda!!!
Lembre-se, você não está sozinha/ sozinho, você faz parte de uma Equipe. Você tem que contar com o apoio dos colegas Professores da Escola, da Coordenação, do Diretor, dos Pais. Ainda, também, pode contar com o auxílio dos Livros, da Internet, dos Cursos, de Aconselhamento, de Coach, enfim, há uma série de recursos.
Pedir ajuda, também, requer antes de tudo humildade. Reconhecer que não somos detentores da verdade, por isso temos que compartilhar o que sabemos e o que precisamos, só assim receberemos ajuda que pode vir de lugares onde você menos espera.
Jamais se feche para as possibilidades de receber ajuda. É uma pena quando ouvimos comentários do tipo: "só vou fazer curso se a escola pagar", "só vou se tiver certificado", "só faço se me pagarem hora extra", "mais um treinamento que não serve de nada".
Saiba que ao pedir ajuda você abre possibilidades de crescer e quando isso acontece, podemos contribuir com muito mais para o mundo em que vivemos e fazer muito mais pelos nossos alunos. Por isso, não se contente em ficar do mesmo tamanho por muito tempo, desafie-se e não tenha medo de pedir ajuda.

Cadastro: SOS Professor

domingo, 17 de junho de 2012

SOS Professor: Como lidar com o aluno tímido?


A criança tímida pode ser tudo, menos um problema de indisciplina. Na verdade, ela é exatamente o oposto. Enquanto muitos de seus colegas trabalham duro para conseguir atenção, às vezes de forma turbulenta, a criança tímida batalha igualmente, no sentido de evitar o tumulto ou a bagunça. Temerosos de chamar a atenção para si mesmas, elas preferem se misturar com o grupo.
Mais espectador que participante, ela tende a sair de cena ao invés de encarar um confronto. Uma criança tímida pode ser mal interpretada pelos colegas, que geralmente a vê como hostil e conclui que ela não quer brincar ou relacionar-se com eles.
Na realidade, a criança tímida geralmente quer se envolver com seus colegas, mas não sabe como começar ou manter uma conversação.
Os professores também podem interpretar mal a criança tímida, confundindo sua relutância em interagir com o grupo como uma escolha. Os professores podem concluir que uma criança tímida é academicamente lenta, ou ainda que, por serem bem comportadas precisam de pouca atenção.
Embora seja verdade que uma criança tímida, muitas vezes seja um aluno aplicado, esta criança ou jovem frequentemente precisa de atenção do professor para estimulá-la e dar-lhe a confiança para amadurecer em seus relacionamentos.
O fato é que muitas vezes apenas nos concentramos naqueles que nos dão trabalho e trazem problemas, e negligenciamos os demais que estão quietinhos, sem darmos conta de que esses alunos estão enfrentando sérios problemas ligados a relacionamento e auto estima.
O que o Professor pode fazer:

Continue lendo o artigo: Como lidar com o aluno tímido?
Cadastro: SOS Professor

terça-feira, 12 de junho de 2012

Artigo: "A Importância da Família no Processo de Aprendizagem, visando ao Sucesso Escolar"

Lucia Oliveira dos Santos Miguel (Professora Pedagoga PDE (Programa de Desenvolvimento Educacional-2008/2009)- Universidade Estadual de Maringá- UEM. 
Eliane Rose Maio Braga (Professora Doutora da Universidade Estadual de Maringá- UEM – Co-autora deste artigo.

RESUMO

Este artigo aborda a importância da família no processo de aprendizagem e tem como objetivos, mobilizar a comunidade escolar, incluindo os professores, equipe pedagógica, direção, funcionários, alunos e, principalmente, as famílias sobre o papel social da escola e a participação efetiva desta comunidade; estudar as características da família contemporânea; orientar as famílias com conhecimentos sobre as fases de desenvolvimento em que os filhos estão para melhor compreendê-los e conscientizar os alunos sobre a importância da escola e do conhecimento para as suas vidas. Este artigo é também fruto dos encontros realizados com as famílias e alunos da 6ª série do Colégio Estadual “Vera Cruz” de Mandaguari. Como resultado apresenta-se uma reflexão sobre a importância da escola e a família se aliarem no processo educacional.

Palavras-Chave:  Família,  Desenvolvimento Humano, Aprendizagem Escolar, Escola.



sexta-feira, 8 de junho de 2012

SOS Professor: "Gerenciamento de Sala de Aula - Regra Nº 10"

Na postagem do dia 28 de Maio abordamos acerca da "regra Nº 09", hoje detalharemos a Nº 10:
Mantenha sempre a perspectiva e o bom humor para cada situação
O relacionamento Professor x Aluno é o "calcanhar de Aquiles" de todo Professor, é o ponto fraco onde muitos "falham". Quando os alunos são inquiridos sobre o que acham do Professor, as respostas são variadas: "meu Professor é bonzinho", "carrasco", "chato", "grita demais", "só reclama" e por aí vai uma infinidade de adjetivos nada positivos. Mas também há uma luz no final do túnel, dentre as respostas aparecem também o "Professor legal".
Para os alunos o "Professor legal", não tem nada a ver com o "Professor bonzinho". O "Professor legal" é aquele que sintetiza uma série de características que atuam em um conjunto equilibrado de atitudes e comportamentos diários que fazem com que o aluno sinta-se cobrado, respeitado e instigado a sempre empenhar-se mais. O "Professor legal" tem a capacidade e o talento de motivar, inspirar e desafiar.
Você deve estar perguntando-se: "Quais características são estas que fazem com que a imagem do Professor seja extremamente positiva aos olhos dos alunos?".
Um desses comportamentos é: manter a perspectiva em todas as situações. Neste caso, trata-se de não se deixar levar pelo nervosismo, estresse, irritação e não sair "batendo boca" com o aluno". O professor é um adulto, tem uma maturidade conforme sua experiência de vida e formação, coisas que a criança e jovem ainda não tem. Mantenha sempre a perspectiva de Educador (maturidade), jamais caia na posição da criança/ jovem (imaturidade). Outro comportamento que faz o professor ser considerado "legal" é quando ele sabe equilibrar seriedade (cobrança de tarefas, ensino de conteúdos, regras, procedimentos) com momentos de humor e descontração e isso implica em saber rir das situações engraçadas e daquelas que não são tão engraçadas assim. Saiba que, uma pitada de humor pode desequilibrar e romper qualquer momento de tensão e constrangimento dentro da sala de aula e fora dela.
Para que o professor consiga "funcionar" no modo "legal" é preciso já ter atingido um patamar de maturidade na sua vida pessoal e profissional. Por isso, reveja todas as áreas da sua vida, reflita sobre o que ainda o motiva a dar aulas, a entrar em uma sala de aula, a fazer parte da vida de crianças e jovens. Se a resposta que você obtiver ainda empolgar você, então já lhe digo, você tem tudo para tornar-se um "Professor Legal".
Cadastro: SOS Professor

terça-feira, 5 de junho de 2012

Artigo: "O Professor e sua Avaliação em Sala de Aula"

Bernardete A. Gatti
Doutora em Psicologia  pela Universidade de Paris VII. Professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC  - SP. Coordenadora do Departamento de Pesquisas Educacionais da Fundação Carlos Chagas - SP. 
E-mail: gatti@fcc.org.br

RESUMO
O presente artigo discute a avaliação educacional como uma das formas de acompanhamento das atividades do aluno com o objetivo de promover a sua progressão. A autora procura suprir deficiências apresentadas nos cursos de formação de professores e mostra a importância da avaliação para fins de orientação, planejamento e replanejamento do ensino, ressaltando, por outro lado, a integração da avaliação no ensino e sua importância na apreciação das diversas aprendizagens e do autodesenvolvimento dos alunos. Aponta a responsabilidade dos professores como avaliadores, ressalta a avaliação em processo, e no final, faz novas considerações sobre a relação ensino/ avaliação.
Palavras-chave: Avaliação Educacional, Planejamento do Ensino, Orientação, Avaliação em Processo, Ensino/ Avaliação.


quarta-feira, 30 de maio de 2012

Livro: Educação Emocional na Escola - A Emoção na Sala de Aula (Jair de Oliveira Santos)


Jair de Oliveira Santos trouxe para o ensino a sua experiência em medicina e em educação médica. E Educação Emocional na Escola: a emoção na sala de aula é um livro gestado na convergência das preocupações com os objetivos educacionais que devem ir muito além do conhecimento discursivo. Para ler o referido livro, acesse o link abaixo:

terça-feira, 29 de maio de 2012

Livro: O Desejo de Ensinar e a Arte de Aprender (Rubem Alves)

Caro educador, este livro possui um enorme significado, uma vez que as ideias de Rubem Alves nos induzem a pensar diferente, a lutar por uma educação que realmente educa. Todos os seus textos, com uma linguagem simples e acessível, nos mostram alguns caminhos que a educação tem que seguir e reforçam que não adianta complicar. O nosso desafio é justamente esse: simplificar os conteúdos, as matérias, para que tenhamos uma educação mais próxima da realidade de nossas crianças e adolescentes.
Na primeira parte do livro você lerá algumas crônicas sobre educação. Ao final, o relato é sobre a Escola da Ponte: a escola dos nossos sonhos. Boa leitura e que estes textos o inspirem da mesma forma que nos inspiram.
Reflexões: crônicas sobre educação
Curiosidade é uma coceira nas idéias - 06
Perguntas de criança - 12
Receita pra se comer queijo - 18
Não é próprio falar sobre os alunos - 24
Aprendo porque amo - 30
É brincando que se aprende - 36
Experiência: a Escola da Ponte - 43
Fundação EDUCAR - 62
Faça Parte - 63